Busca de Diários Oficiais


Diário SP - Município de Bauru

DIARIO OFICIAL DE BAURU

SEGUNDA, 23 DE DEZEMBRO DE 2.019

27

principalmente as caracteristicas das camaras de floculacao, que propiciam a ocorrencia de caminhos
preferenciais.
Ressalta-se que esta estimativa preliminar de tratamento na ETA serve apenas para
identificar a unidade que mais restringe a capacidade da ETA, sendo que existe um projeto basico de
reforma e ampliacao da ETA Batalha realizado em 2000 (Hidrosan,2000). Neste projeto foi
considerada a vazao maxima de tratamento de 660 L/s e mudancas fisicas significativas na ETA.
O estudo de tratabilidade realizado pela Hidrosan em 1997/1998 previu pequenos ajustes na
ETA e a aplicacao de polimero como auxiliar de floculacao, o que torna possivel tratar 630 L/s com
qualidade adequada para os padroes de potabilidade da epoca. Nesse estudo ressalta-se que foram
verificados problemas nas unidades de floculacao e decantacao e com o longo percurso da agua
coagulada. Porem, apesar da ruptura acentuada de flocos na passagem da agua floculada ao
Figura 5.103  Lancamento dos residuos no corpo hidrico

decantador e da distribuicao insatisfatoria da agua floculada na sua secao transversal, concluiu-se
que a ETA poderia tratar 630 L/s com 6 modulos de floculacao/decantacao e 12 filtros em
funcionamento.

5.8.7 Capacidade maxima de tratamento na ETA

A estimativa preliminar da capacidade maxima de tratamento na ETA Batalha foi realizada

avaliando cada processo e operacao unitarios na ETA (coagulacao, floculacao, decantacao e filtracao)
e pressupondo o minimo de intervencoes fisicas nas unidades. A capacidade de captacao e aducao

Observa-se atualmente que, com a vazao media de tratamento de 590 L/s, a ocorrencia de
diversos problemas operacionais e estruturais na ETA, inclusive o lancamento de residuos nao
tratados no Rio Batalha.
A reforma da ETA deve ser realizada com urgencia visto a precariedade das unidades e da
sua estrutura fisica. Recomenda-se que seja realizado um estudo de readequacao do projeto de

de agua bruta nao foi avaliada neste item.
Nos anos de 1997 e 1998 a Hidrosan realizou ensaios de tratabilidade do Rio Batalha, visando

reforma e ampliacao da ETA realizado em 2000 visando ao atendimento dos novos parametros de

obter elementos para otimizar a operacao e modernizacao da ETA. Em 2000, juntamente com a

potabilidade apresentados na Portaria 2914/11. Esse estudo deve ser realizado juntamente com a

realizacao do projeto de reforma e ampliacao da ETA, foram realizados testes em escala real para
avaliar a sua capacidade maxima de tratamento. Estes testes foram realizados com base nos
resultados do estudo de tratabilidade, fechando-se parcialmente a ETA para simular uma vazao de
tratamento de 630 L/s, superior a capacidade de aducao/tratamento daquela epoca. Nesta ocasiao,
verificou-se a necessidade de pre-oxidacao da agua (devido a presenca acentuada de algas), do uso
de carvao ativado pulverizado para adsorcao de subprodutos da pre-cloracao, alem de polimero nao
ionico como auxiliar de floculacao (em torno de 0,5 mg/L). Foi produzida agua filtrada com turbidez

elaboracao do projeto do sistema de tratamento de residuos gerados na ETA e deve considerar
estudo da capacidade hidrica do Rio Batalha, apresentado no Volume 01  Tomo III, para a definicao
da vazao maxima do projeto de reforma da ETA.

5.8.8 Ocorrencias observadas durante o periodo de elaboracao do Plano
Diretor

No dia 02/06/2014 o DAE de Bauru entrou em contato com a Hidrosan devido a problemas

entre 0,7 e 0,95 uT, aceitaveis para o padrao da epoca. Apos a realizacao do estudo, concluiu-se que

ocorridos na ETA do Rio Batalha. Foram observados alguns fenomenos concomitantes: o

a ETA poderia tratar 630 L/s com 6 conjuntos de floculacao/decantacao e com 12 filtros em

aparecimento do material flotado nos floculadores e decantadores, o encurtamento das carreiras de

funcionamento. Entretanto, foram constatados diversos problemas que deveriam ser corrigidos nas

filtracao (diminuicao dos intervalos entre lavagens sucessivas) e a retencao de ar no meio filtrante, o

unidades de floculacao/decantacao, destacando-se: o percurso relativamente longo da agua

qual era liberado quando se fechava a valvula de agua filtrada (efluente) dos filtros e quando se

coagulada ate os floculadores; ruptura acentuada de flocos na passagem de agua floculada ao

iniciava a lavagem do mesmo.

decantador; distribuicao insatisfatoria de agua floculada na secao transversal do decantador; entre
outros problemas nas unidades de floculacao/decantacao.
No projeto de reforma de 2000, estavam previstas a construcao de unidade de dioxido de

No dia 06/06/2014 a equipe do DAE de Bauru enviou fotos das unidades da ETA tomadas
pela escuma e do desprendimento de ar nos filtros para avaliacao previa dos profissionais da
Hidrosan. As fotos estao mostradas na Figura 5.104.

cloro para pre-oxidacao (na captacao), nova camara de chegada de agua bruta, medidor de vazao
[PLANO DIRETOR DE AGUA  BAURU/SP] VOLUME 01  TOMO I| 99

[PLANO DIRETOR DE AGUA  BAURU/SP] VOLUME 01  TOMO I| 101

tipo Parshall onde seria feita a mistura rapida, comportas para divisao de vazao aos modulos,
camaras adicionais de floculacao, reforma dos decantadores para alta taxa (e desativacao de alguns
decantadores) alem do sistema de tratamento dos residuos, reforma das instalacoes de produtos
quimicos e reforma dos filtros. Entretanto, deve-se considerar tambem que este projeto foi realizado
ha mais de uma decada, ou seja, esta obsoleto em relacao as tecnicas, equipamentos e processos
utilizados atualmente.
A unidade de mistura rapida, composta por vertedor Parshall, apresenta problemas
estruturais graves, nao forma ressalto hidraulico em local adequado e nao possui medidor de vazao
com a precisao necessaria para a operacao eficaz da ETA. Vertedores Parshall com garganta de 0,915
m tem a capacidade de operar com vazoes de 17,3 a 1427,2 L/s, entretanto, a unidade presente na

Figura 5.104  Escuma acumulada nos floculadores e decantadores e liberacao de ar retido nos filtros

ETA impossibilita a medicao correta da vazao e a mistura eficaz dos produtos quimicos aplicados e
deve ser substituida por nova unidade de mistura rapida.
A floculacao na ETA e realizada por 6 unidades de floculacao, sendo cada uma composta por

O eng. Paulo Eduardo N. Voltan da Hidrosan foi a ETA de Bauru para realizacao de uma visita
tecnica as instalacoes. Nesta ocasiao, ficou claro que o ar retido nos filtros estava sendo liberado ao

1 camara e 2 equipamentos do tipo paletas verticais paralelas ao eixo. O volume util total das

longo da carreira de filtracao, e nao por insercao de ar pelo sistema de lavagem dos filtros. Uma das

unidades de floculacao e de 745 m3. Considerando a configuracao das unidades de floculacao,

principais causas do ar retido no meio filtrante e a pressao relativa negativa no meio filtrante, que

recomenda-se a utilizacao do coeficiente de majoracao T=2, pressupondo a grande ocorrencia de

pode ser causada pela elevada perda de carga por colmatacao das primeiras camadas filtrantes,

caminhos preferenciais e curtos-circuitos. O tempo minimo de floculacao considerado e de 20 min, o

associada a saida de agua filtrada em cota inferior ao topo do meio filtrante, como e o caso na ETA

que resulta na vazao maxima de 310 L/s.

de Bauru. Desta forma, com a pressao relativa negativa no meio filtrante, o ar dissolvido na agua se

A decantacao na ETA e realizada por 6 unidades convencionais com area superficial de 300

desprende, sendo aprisionado no meio filtrante. Em poucas horas e observada a colmatacao total do

m2 cada, totalizando 1800 L/s. A velocidade de sedimentacao recomendada pelo estudo de

meio filtrante, com consequente necessidade de lavagem do filtro, resultando um grande consumo

tratabilidade (Hidrosan, 1997) e de 2 cm/min (com o uso de polimero como auxiliar de floculacao).

de agua na ETA, diminuindo sua producao efetiva, comprometendo o abastecimento da cidade.

Esta velocidade de sedimentacao resulta na taxa de aplicacao superficial de 28,8 m3/m2.d. Sendo

Outra causa pode estar associada a entrada de ar nas tubulacoes da captacao.

assim, a capacidade maxima de tratamento nas unidades de decantacao e de 600 L/s (com o uso de

A principal causa a ser investigada e o fator causador da colmatacao das primeiras camadas
filtrantes. A presenca de microalgas e cianobacterias pode causar a flotacao de flocos nos

polimero como auxiliar de floculacao).
A filtracao na ETA e realizada por 12 filtros rapidos descendentes de areia (2 baterias de 6

floculadores e decantadores, bem como alguns generos, principalmente os filamentosos, e as

filtros) com area de filtracao de 26,4 m2, totalizando 316,8 m2 de area filtrante. Considerando a taxa

diatomaceas podem causar obstrucao do topo do meio filtrante. Como nao havia equipamento

maxima de filtracao durante a lavagem, de 180 m3/m2.d, a taxa media de filtracao resulta em 150

disponivel na ETA para realizar a contagem e a identificacao da de microalgas e cianobacterias, nao

m3/m2.d, que por sua vez implica na vazao maxima de tratamento de 550 L/s.

foi possivel comprovar diretamente a presenca destes organismos na ocasiao da visita. Entretanto, a

Na Tabela 5.10 estao apresentadas as capacidades maximas de tratamento das unidades da

coloracao verde-claro da agua decantada e a coloracao verde intensa da agua bruta, provavelmente
estao associadas a ocorrencia de microalgas e cianobacterias (Figuras 5.105 e 5.106).

ETA.
Tabela 5.10  Capacidade maxima de tratamento nas unidades da ETA
Unidade de tratamento
Vazao maxima de tratamento (L/s)
Mistura rapida
1427,2
Floculacao
310,0
Decantacao
600,0
Filtracao
550,0

Observa-se na Tabela 5.10 que a limitacao em relacao a capacidade maxima de tratamento
na ETA e a unidade de floculacao com capacidade de tratamento para ate 310 L/s. Isto se deve
[PLANO DIRETOR DE AGUA  BAURU/SP] VOLUME 01  TOMO I| 100

[PLANO DIRETOR DE AGUA  BAURU/SP] VOLUME 01  TOMO I| 102


Importante: Todos os documentos armazenados para fins de busca e exibição no Radar Oficial são documentos de conhecimento público e disponibilizados por fontes oficiais em seus sites originais.